Search
Tuesday 17 October 2017
  • :
  • :

Pioneer está desenvolvendo Blu-ray Gigante

Pioneer está desenvolvendo  Blu-ray Gigante

Armazenamento de dados nas nuvens e filmes via streaming são conceitos já tão disseminados que o desenvolvimento de novas mídias ópticas parece ser, cada vez mais, uma aposta arriscada, mas a indústria persiste.

Recentemente, a japonesa Pioneer revelou estar trabalhando em um tipo de disco Blu-ray que pode armazenar pelo menos 256 GB em cada lado.

O truque para fazer tantos dados caberem dentro de um disco que mantém as dimensões físicas convencionais – 12 centímetros de diâmetro – está na implementação de múltiplas camadas de dados em cada lado. Na tecnologia atual, o máximo que se consegue empilhar são três camadas por face (especificação BDXL), o que dá um total de 100 por disco (128 GB em mídia BD-R).

A Pioneer não entrou em detalhes sobre como a técnica funciona, se limitando apenas a dizer que o ingrediente principal dos novos discos está no uso de uma espécie de “camada-guia”, que orienta a leitura e a gravação de dados, capaz de suportar vários níveis.

Neste disco em específico, cada lado pode receber até oito camadas com capacidade de 32 GB, totalizando 256 GB por face. Se os dois lados da mídia forem usados, pode-se ter então 512 GB. Não termina aí: a Pioneer fala que versões futuras do disco poderão contar com até 12 camadas, o que resulta em 384 GB por face.

Um detalhe que não passa despercebido é que a Pioneer decidiu aperfeiçoar uma tecnologia já existente – o Blu-ray – em vez de criar um tipo de mídia totalmente novo, tal como outros fabricantes estão fazendo.

A preocupação da empresa parece estar na questão da compatibilidade: em teoria, leitores de Blu-ray atuais poderão ler os discos de maior capacidade com uma simples atualização de firmware.

Este aspecto deixa claro que a indústria não terá que se preocupar em desenvolver um leitor que utiliza um feixe de laser com um comprimento de onda diferente ou investir em novos materiais para a fabricação dos discos, por exemplo, o que deve colaborar para custos de produção e preços para o consumidor dentro de patamares razoáveis.

A Pioneer não informou quando pretende disponibilizar comercialmente as novas mídias (se é que um dia o fará), mas não deve demorar muito: além de poderem ser uma opção para a distribuição de filmes em 4K, estes discos terão potencial para atender a aplicações profissionais (especialmente backup), um mercado que já está sendo visado inclusive pelas rivais Sony e Panasonic com o formato Archival Disc.

Com informações: VR-Zone




    Deixe uma resposta